AV. ASSIS BRASIL, 8787, SARANDI, PORTO ALEGRE-RS | CENTRAL DE ATENDIMENTO 0800 51 8555 

Você está aqui

ANP quer reativar a dinâmica do setor de petróleo no Brasil

Indústria e Desenvolvimento

O diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, Décio Oddone, confirmou esta tarde, durante encontro com o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, que a ANP trabalha com duas estratégias para retomar as atividades no setor de petróleo no País. “O primeiro foco, de longo prazo, são as rodadas de ofertas de blocos de exploração de petróleo tanto em mar quanto em terra, a partir de setembro, com 287 blocos sob regime de concessão, mais as áreas do pré-sal, em outubro. Essa retomada da oferta de áreas exploratórias vai garantir, especialmente nas áreas do pré-sal, o aumento da atividade do  setor de petróleo no Brasil nos próximos anos”, disse Oddone, na reunião realizada na sede da FIERGS.

Décio Oddone expressou a preocupação com a forte queda da produção de petróleo no Brasil em todas as bacias, exceto as do pré-sal. Por isso, no curto prazo, é preciso reativar a dinâmica do setor: “Só conseguiremos fazer isso retomando a atividade dos contratos que temos. Vamos estender o prazo para as companhias fazerem exploração, tentar agilizar a concessão de licenças ambientais e tratar das travas que existem no setor”.

Atualmente, de acordo com Oddone, a Petrobras tem quatro áreas sob concessão no Estado, na bacia de Pelotas, aguardando licença ambiental. A ANP vai oferecer mais seis blocos um pouco mais ao sul, na mesma região, em águas profundas, perto da fronteira com o Uruguai, na 14ª rodada de licitações, em setembro.

Gilberto Petry colocou à disposição o Comitê de Petróleo, Gás e Naval (Copen) da FIERGS, bem como o Instituto Senai de Tecnologia em Petróleo, Gás e Energia, em Esteio, para colaborar com a ANP no Rio Grande do Sul.