Você está aqui

Representatividade

FIERGS destaca que mudanças constantes e restrições às atividades da indústria geram insegurança

A ampliação das restrições às atividades da indústria determinada em decreto pela prefeitura de Porto Alegre, nessa terça-feira (23), traz mais perdas ao setor e desorganiza a economia privada, já bastante afetada pela pandemia provocada pelo coronavírus, avalia a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). A entidade, desde o início da crise, defende o equilíbrio entre os cuidados com a saúde da população e a economia. “Essas constantes alterações e mudanças de uma semana para outra nos dão muita insegurança.

FIERGS manifesta preocupação com troca de bandeiras

A Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) manifesta preocupação com as mudanças para bandeiras restritivas em função da Covid-19, atingindo diversas Regiões gaúchas. Segundo a entidade, as alterações promovidas como decorrência do modelo adotado pelo Executivo estadual não podem gerar insegurança a empreendedores e empregados por não saberem quando e como poderão trabalhar, desorganizando completamente a economia privada.

A INDÚSTRIA ASFIXIADA E O ESTADO SOB PRESSÃO

Desde o início da pandemia, a indústria gaúcha vem registrando uma descomunal queda no seu nível de atividade. Segundo pesquisa da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul, 60% das empresas apresentam queda intensa na produção fabril, e 72% apontam redução drástica de faturamento. Essa realidade leva ao fechamento de vagas de trabalho, como lamentavelmente mostrou o recente relatório do Caged :  1,1 milhão de brasileiros ficaram sem emprego formal nos meses de março e abril.

Preocupação é a de manter empresas ativas e pessoas com renda, diz presidente da FIERGS

A indústria deve tomar a frente na retomada que o Brasil necessita após  superada a grave crise do coronavírus, entende o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, em manifestação pelo Dia da Indústria, comemorado em 25 de maio. Para essa recuperação ocorrer, porém, será fundamental medidas que preservem o setor, além da continuidade do ajuste fiscal e das reformas estruturais que o Brasil vinha implementando, entre elas a venda de empresas estatais que não são estratégicas para o País.

Presidente da FIERGS e vice-presidente Mourão debatem os reflexos da crise para o Brasil

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), Gilberto Porcello Petry, sugeriu na manhã dessa sexta-feira (15), ao participar de uma live com o vice-presidente da República general Hamilton Mourão, que o Governo Federal crie um fundo para socorrer diretamente as empresas, com linha direta, de R$ 40 ou 50 bilhões. A ideia, segundo Petry, é “irrigar a economia” brasileira em um momento tão crítico, abalada pela forte crise provocada pela pandemia do coronavírus, sem precisar passar pela burocracia das instituições bancárias.

FIERGS destaca que restrição ao comércio afeta recuperação da indústria e do emprego

O novo decreto de distanciamento controlado do governo do Estado, que passou a valer essa semana, pouco altera a situação da indústria, pois mantém o funcionamento parcial do setor, apenas estabelecendo cores de bandeiras para cada região com maior ou menor risco de contágio pelo coronavírus. Porém, como continuam as limitações severas ao comércio nos municípios gaúchos, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS) ressalta ser esse um fator a influenciar nas retomadas da indústria e do emprego, que levarão ainda mais tempo.

Presidente da FIERGS participa de agenda de Lula na Argentina

O presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, está em Buenos Aires (Argentina) para participar da primeira visita internacional do presidente Luis Inácio Lula da Silva. O industrial integra a comitiva da Confederação Nacional da Indústria (CNI), com empresários do Paraná e Santa Catarina, liderados pelo presidente Robson Braga de Andrade, além do presidente brasileiro do conselho empresarial Brasil-Argentina e vice-presidente da FIERGS, Mauro Bellini.

DEMOCRACIA NÃO ADMITE INVASÕES

A Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul – FIERGS – repudia com veemência as invasões dos prédios dos três Poderes da República ocorridas, ontem (8 de janeiro de 2023), no Distrito Federal. A entidade, na sua história de 85 anos, vem promovendo a democracia e a livre iniciativa como regimes indissociáveis.

Portanto, as invasões do patrimônio público, assim como de propriedades privadas, sempre foram condenadas pela FIERGS, cuja sede, em Porto Alegre, já sofreu esta violência na década de 90, sendo os responsáveis condenados à indenização.

Reajuste da Sulgás traz impacto negativo à indústria gaúcha

O reajuste da revisão da margem da Sulgás, aprovado e publicado por meio da Resolução Decisória nº 664, da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul (Agergs), surpreendeu a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS). Segundo o coordenador do Grupo Temático de Energia e Telecomunicações do Conselho de Infraestrutura (Coinfra) da entidade, Edilson Deitos, o aumento da margem média de R$ 0,2826 para R$ 0,3756 corresponde a uma elevação de 33% para a distribuidora de gás natural canalizado no Estado.

Sesi-RS inicia obras e amplia serviços em 2023

O próximo ano do Serviço Social da Indústria (Sesi-RS) dará frutos plantados em 2022, como o início das obras das Escolas Sesi de Ensino Médio de Canoas e Lajeado e a ampliação da de Pelotas, além da inauguração do Instituto de Formação de Professores. Isto no primeiro semestre. “O Instituto materializa o que o Sesi-RS vem fazendo junto às prefeituras, com a preparação de professores para trabalhar com esta nova educação que defendemos”, explica o superintendente do Sesi-RS Juliano Colombo.